2007/04/15

Domingo da Divina Misericórdia


"O acontecimento de Fátima irrompeu na história da Europa quando ideologias e estruturas desumanas tentavam transformar a história em «coisa nossa». Foi então ...que aos pastorinhos de Aljustrel, o Anjo revelou os seus "desígnios de misericórdia"; a Senhora do Rosário, alertou para que não se perdesse a sensibilidade perante o mal, pois ele ofende a Deus, humilha o ser humano e degrada quem o pratica; e na visão de Lúcia da Santíssima Trindade, se resume o essencial da sua iniciativa em favor dos homens com as palavras ."Graça e Misericórdia".
Em Fátima, Deus sempre se apresentou como aliado do homem, preocupada com a sua sorte Dali convocou homens de boa vontade para uma luta sem tréguas pela dignidade humana e pela paz, Ali se afirmou como Pai que se comove até às entranhas com as situações de miséria e humilhação dos seus filhos (Lc10,33). Sendo Deus em Si mesmo mistério de Amor, para nós Ele revelou-Se como Aquele que cuida, salva, reconcilia, reintroduz na comunhão e partilha a sua intimidade connosco: Ele é Amor Misericordioso!"
Neste Domingo da Divina Misericórdia, «ideias.com» publica este trecho do Presidente da Comissão dos 90 anos das Aparições de Fátima e deseja chamar a atenção dos amigos para este dom de Deus.

2 comentários:

Wagner Moura disse...

Que o Senhor da Misericórdia abençoe todos nós!

Cabral-Mendes disse...

Acredito, queridas Irmãs, na Misericórdia de Jesus Cristo. Ele é Amor, o Amor, e deve ter uma infinita paciência perante as nossas fraquezas...

Com efeito, eu repouso o meu espírito à sombra da Misericórdia de Deus. Sem ela, que nos restaria, pobre barro que somos?

Gosto muito de rezar o Terço da Misericórdia. Breve, ele transporta-nos para uma outra dimensão: aquela onde rezamos, não só por nós, mas e sobretudo, pelos outros, pelo Mundo inteiro, que só Deus poderá salvar…

Permitam-me que o coloque aqui, porventura para algum leitor(a) amigo(a) que o desconheça (este terço é rezado no terço comum):

I - No início:

Pai Nosso, Ave-Maria, Credo.

II - Nas contas grandes, em vez do Pai Nosso, dizemos:

“Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue,
Alma e Divindade
do Vosso muito Amado Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo/
em expiação dos nossos pecados
e dos pecados de todo o mundo”. (uma vez).

III - Nas contas pequenas, em vez das Ave marias, dizemos:

Pela Sua dolorosa Paixão,/
tende misericórdia de nós e de todo o mundo.”

IV - No fim do terço, rezar três vezes:
Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal,/
tende piedade de nós e de todo o mundo.”

(extraído do livro “Jesus, Eu Confio em Vós – Guia da devoção À Misericórdia de Deus” – 6ª edição, 2001, Congregação dos Marianos, Balsamão – Macedo de Cavaleiros).

Um Abraço em Cristo, daqui de Lisboa, Queridas Irmãs!