2006/12/07

Solenidade da Imaculada Conceição

Oração:
Senhor,
Faz com que os meus olhos sejam transparentes e simples,
como os de Maria.
Que o meu olhar reflicta o Teu Olhar,
Irradiado no meu interior, como Maria.
Que o meu olhar transmita alegria, paz,
confiança, liberdade, como Maria.
Que eu olhe a vida com assombro
e descubra a beleza, como Maria.
Que eu olhe delicadamente o mistério
de cada ser humano, como Maria.
Que eu me deixe afectar pelo seu olhar de dor,
de inquietude, como Maria.
Que olhes Tu ,Senhor, com os meus olhos
os meus irmãos, como fizeste como Maria.
Ideias. com alegra-se com a solenidade dedicada à Imaculada Conceição da Mãe de Deus, Raínha de Portugal e propõe esta oração num sentimento de unidade a todos os portugueses.
Pode partilhar aqui os seus sentimentos a Maria na Sua Imaculada Conceição.

3 comentários:

Ver para crer disse...

Que a Mãe nos abençoe a todos!

Cabral-Mendes disse...

Então, Irmãs, partilhando, diria o seguinte:

Pese embora o profundo desagrado que os "velhos" republicanos têm pela nossa História, esta contudo não pode ser apagada na sua Verdade, a qual assenta na Monarquia e no profundo amor e respeito desta pela Igreja e pelo Catolismo. No dia de hoje, celebramos a Imaculada Conceição de Maria, a qual é e sempre será a Padroeira do Reino de Portugal.

Com efeito, nas cortes celebradas em Lisboa no ano de 1646, declarou el-rei D. João IV, primeiro Rei da dinastia de Bragança, que tomava a Virgem Nossa Senhora da Conceição por padroeira do Reino de Portugal, prometendo-lhe em seu nome, e dos seus sucessores, o tributo anual de 50 cruzados de ouro.

Foi instituída a Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição por D. João VI, que sintetiza o culto que em Portugal, desde sempre aliás, teve essa crença, mesmo antes de ser dogma.

Ordenou o mesmo soberano que os estudantes na Universidade de Coimbra, antes de tomarem algum grau, jurassem defender a Imaculada Conceição da Mãe de Deus, juramento que foi abolido com o advento, em 1910, da República ateia e maçónica.


O dogma da Imaculada Conceição foi definido pelo papa Pio IX em 8 de Dezembro de 1854, pela bula "Ineffabilis Deus”.

Cheia de Graça a Virgem Maria – assim Deus a pensou e viu desde sempre. E, no dia 8 de Dezembro de 1854, Pio IX, na Bula “Ineffabilis Deus”, proclamou o dogma da Imaculada Conceição de Maria Santíssima.


Com esta denominação, Nossa senhora é representada com os pés sobre a Terra, e com estes esmaga uma cobra, símbolo do pecado original. Ela une as mãos, em atitude de oração. Tem os cabelos longos caídos sobre os ombros. Usa uma túnica branca e um manto azul, e muitas vezes apresenta-se com uma coroa real. Sob os seus pés aparece geralmente um crescente de lua. Em algumas imagens, sob os pés da Virgem surgem cabeças de anjos.
A lua, que aparece quase sempre sob os pés da Senhora da Conceição, simboliza a substância passiva, que guarda em seu seio os raios do Sol. Por esse motivo é também o símbolo de Maria, que guardou em seu seio Jesus, o Deus Encarnado, a Luz Divina.

Como disse o nosso João Paulo II, na Solenidade da Imaculada Conceição do ano da graça de 2004, “ a sua sublime beleza, reflexo da de Cristo, é penhor para todos os crentes da vitória da Graça divina sobre o pecado e sobre a morte. “

Com efeito, Nossa Senhora e o seu querido Filho Jesus, ambos imaculados, ambos santíssimos, representam bem a vitória sobre o Mal e a Morte.

Relembrando, sempre com emoção, as doces palavras do Arcanjo Gabriel à Virgem: “Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo” (Lc 1, 28), resta-nos o desejo de que Ele esteja, também, sempre connosco, apesar das nossas infidelidades, das nossas quedas, das nossas fraquezas.
Mas, se tais fragilidades são devidas a este frágil barro, a nossa Alma pertence, incondicionalmente, a Deus.


Com amor e amizade,

Cabral-Mendes

Paulo Sempre disse...

Para todos os que creiem...está excelente!!
BOM NATAL
paulo